segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Putin e Xi no jornalismo de propaganda pró 'ocidente':
Por que Xi Jinping é tratado com luvas de seda? 

29/10/2016, Jeff J. Brown,* Moscow-Pequim Express (em The Saker)
tradução pelo coletivo de tradutores da VILA VUDU


Vlad, melhor você abrir o olho! Quando a propaganda ocidental lança um "-ismo" contra alguém, é que a coisa virou briga de foice no escuro. Veja só: marxismo, leninismo, maoísmo, comunismo, socialismo, extremismo e terrorismo "islâmico", só para começar. Afinal, por trás da Grande Muralha Corta-fogo Ocidental, todos esses são uma e a mesma coisa, certo?

Capa e artigo de fundo recentes da revista 
Economist, fez-me lembrar de o quanto é ideológica e ensandecida a propaganda que se vê no ocidente contra o presidente Vladimir Putin da Rússia. Por mais que, sim, seja também manobra de vendas para aumentar a circulação da revista, como uma espécie de bom cartoon super polêmico, para atrair atenções para a página editorial, o fato de essa caricatura demoníaca ganhar capa já mostra, só ele, o quanto a mídia-empresa ocidental mainstream é institucionalizada e programada.

domingo, 30 de outubro de 2016

Por dentro do Governo Invisível:
Guerra, Propaganda, Clinton & Trump

27/10/2016, John Pilger, Global Research
Tradução do Coletivo de Tradutores da Vila Vudu

O jornalista norte-americano Edward Bernays é frequentemente apresentado como inventor da propaganda moderna. Sobrinho de Sigmund Freud, foi Bernays quem cunhou a expressão "relações públicas", eufemismo para o jornalismo de boatos e mentiras, para burlar eleitores e consumidores.

Em 1929, Bernays persuadiu as feministas a promover o consumo de cigarros pelas mulheres, com um carro que desfilou no Desfile da Páscoa em NY, naquele ano – comportamento então considerado avançadíssimo e de igualdade entre homens e mulheres. Uma militante feminista, Ruth Booth, declarou "Mulheres! Acendam outra tocha da liberdade! Derrubem mais um tabu sexista!" A influência de Bernays foi muito além da publicidade. Seu mais retumbante sucesso de publicidade foi ter convencido os norte-americanos a mergulhar no massacre que foi a "1ª Guerra Mundial".
De volta aos confrontos no mar
 por Brian Clouglhey
http://www.strategic-culture.org/news/2016/10/30/down-seas-confrontation.html
tradução: btpsilveira
Há mais de um século o poeta inglês John Masefield escreveu: “Devo voltar mais uma vez aos mares e céus solitários / E tudo o que peço é um veleiro e uma estrela que me guie”, e não há dúvidas de que poderia agir dessa forma naquela época, porque se o fizesse agora provavelmente teria muita dificuldade de evitar ser abalroado por um dos vários e enormes Grupos de Ataque de Porta Aviões, ou da mesma forma, dos grandes Grupos Anfíbios de Prontidão dos Estados Unidos que perambulam por todos os quadrantes, dominando os céus e os mares abaixo dele, fazendo alarde do poderio (norte)americano por todos os cantos do planeta.
Aliás, Masefield também teria dificuldade para não trombar com um dos mal conservados e fétidos barcos fugidios, abarrotados de refugiados desesperados, vindo de regiões onde impera o terror para mares hostis, até praias onde não são bem vindos e onde as autoridades os tratam com menosprezo – se conseguirem chegar.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Washington tenta envergonhar a Ásia por “ceder” à China

TONY CARTALUCCI
tradução de btpsilveira

Está se tornando cada vez mais claro que a influência dos Estados Unidos – apesar do tão badalado “Pivô para a Ásia” – está em declínio através da região do Pacífico Asiático. Washington está sofrendo derrotas geopolíticas em virtualmente cada nação da região, incluindo aquelas agora lideradas por regimes que foram meticulosamente organizados, financiados e apoiados pelos EUA por décadas. Por outro lado, essa influência está diminuindo também entre aquelas nações consideradas aliadas cruciais dos Estados Unidos por longo tempo.

Aqui se pode incluir a Tailândia, no sudoeste asiático, de quem os Estados Unidos repetidamente fazem lembrar ao mundo que tem sido aliada de Washington desde a Guerra Fria e durante a Guerra do Vietnã, e alegadamente, mesmo antes disso.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Hoje, todos odeiam os (norte)americanos

por Jean Perier
tradução de btpsilveira


Não dá para negar que nos últimos anos o crescimento de um sentimento anti (norte)americano está em constante crescimento através do planeta. Embora as corporações de mídia ocidentais estejam tentando colocar a culpa nos jornalistas russos, eles sozinhos dificilmente seriam capazes de alcançar tal efeito.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Síria: Presidente Vladimir Putin (entrevista)

Respostas a perguntas de jornalistas do canal TF1 TV, francês
11/10/2016, em Kovrov, Vladimir, Rússia (transcrito e trad. ru-ing.)

Tradução para o português do Coletivo de Tradutores da Vila Vudu.


Presidente da Rússia Vladimir Putin: 
Como é que chegaram aqui? Nessa cidadezinha provinciana... Atualmente, encontram-se franceses onde quer que se esteja, em todas as cidades da Rússia. É muito bom. Muito nos agrada vê-los por aqui. 

Pergunta (retraduzida): Sr. Presidente, pode explicar-nos por que o senhor não irá a Paris? 

Vladimir Putin: Muito simples. Havíamos planejado participar de uma cerimônia oficial de inauguração do recém construído centro religioso-cultural russo em Paris. Mas, pelo modo como estão as coisas, esse não é o melhor momento para reuniões oficiais, dada a falta de entendimento mútuo, para dizer o mínimo, no que tange aos eventos na Síria, particularmente a situação em Aleppo. Mas estamos abertos, claro, a qualquer consulta e diálogo sobre esse assunto. 

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Apenas mais um crime de guerra dos EUA ou nova provocação em Alepo?
por Martin Berger
traduzido por btpsilveira

Bastou a instalação pela Rússia de seu avançado sistema de mísseis defensivos S-400 na Síria, conforme relatado pelo jornal  Daily Mail, para que Washington começasse subitamente a sentir-se desconfortável para fazer novas provocações contra a Rússia, como aquela quando do ataque levado a efeito pela Força Aérea (norte)americana em 17 de setembro, quando o exército sírio se viu repentinamente sob fogo pesado.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

A “loucura política” e a insensatez dos neocons: Hillary Clinton e os riscos de Guerra nuclear

O empenho das elites para colocar Hillary no poder

Por Joachim Hagopian
tradução btpsilveira

Conforme chegamos ao mês derradeiro deste ano de eleições presidenciais nos EUA acelera o ritmo de eventos dramáticos no mundo e os desenvolvimentos que estão em curso se tornam cada vez mais incompreensíveis

Dia após dia estamos testemunhando ações cada vez mais escandalosamente desesperadas por parte dos globalistas e de seus fantoches no governo dos Estados unidos. Entre os últimos acontecimentos em curso nesta semana, todos caminhando rapidamente na direção de uma guerra mundial contra a Rússia, está a violação pela OTAN da Lei Internacional ao dispor AWACS (Airbone Radar Warning and Control System – Sistema Aéreo de Alerta e Controle – NT) nos céus da Síria mesmo que apenas a Síria e a Rússia tenham o direito legal de controlar o espaço aéreo em conflito.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Estados Unidos perdem seus maiores aliados na Ásia
por Alex Gorka
tradução de btpsilveira

O relacionamento amistoso entre as Filipinas e os Estados Unidos tem sido um dos pilares da estratégia de reequilíbrio militar para a Ásia sob o governo do presidente Barak Obama. Esta aliança, no entanto encontra-se sob questionamento agora que as Filipinas anunciaram que deverão adotar uma política muito mais independente nas relações exteriores do que vinha sendo feito no passado.