sexta-feira, 31 de março de 2017

Bolhas econômicas estão a ponto de deixar os EUA de joelhos: “Os sinais são claros”

Postado por Tyler Durden, no site Zero Hedge. Autor Daniel Lang, trad: btpsilveira


Se você está prestando atenção na degradação que grassa na economia (norte)americana desde a última crise financeira, você provavelmente também está atônito em ver como a economia dos EUA conseguiu chegar tão longe sem desabar. Eu estou. Fico chocado a cada ano que passa sem que aconteça um incidente grave.

quinta-feira, 30 de março de 2017

Os Estados Unidos jamais vencerão no Afeganistão

Os Estados Unidos não têm tropas suficientes para tocar com sucesso uma campanha de contra insurgência no país.


por Charles V. Peña, no site The American Conservative – trad: btpsilveira  
 De acordo com os senadores John McCain (Rep – Arizona) e Lindsey Graham (Rep South Carolina), a situação no Afeganistão é a de um “cheque perpétuo” (stalemate no original em inglês – NT) que requer forças adicionais tanto dos EUA quanto dos membros da coalizão. Os senadores citam os testemunhos do principal comandante no Afeganistão General John W. Nicholson ao Comitê das Forças Armadas do Senado, no qual afirmou que precisa de mais milhares de tropas. Atualmente existem cerca de 8.400 soldados dos EUA no Afeganistão, mais cerca de 6.300 tropas de outros países. Assim, será que mais alguns milhares de soldados – presumivelmente (norte)americanos – farão alguma diferença?
Little buildersChina dá seu grande salto adiante* (rãs ocidentais acham ruim) 


23/3/2017, James Petras (Blog) – trad: Coletivo VILA VUDU


"Se se espera agora, não vem. Se não se espera, mesmo assim virá. 
Se não vier já, ainda virá. Estar pronto é tudo."
Hamlet, William Shakespeare em Hamlet, Ato V, Cena 2


"Romper a gradação", anotava Lênin à margem de A Grande Lógica de Hegel. 
E sublinhava: "A gradação nada explica sem os saltos. Os saltos! Os saltos! Os saltos."**

IMAGEM: "Grande salto adiante: todos constroem" [Xiao jianshe jia (小建] Cartazista: Zhang Yuqing,
Pequim, nov. 1959 (
Coleção privada)
____________________________________________________

Introdução: Acadêmicos e especialistas dos jornais 'de finanças', a mídia-empresa de massa e 'especialistas em Ásia' em geral, nos EUA, além de legiões de políticos ocidentais progressistas e conservadores, coaxam em coro a própria frustração e vivem de anunciar um iminente colapso ambiental da China.

quarta-feira, 29 de março de 2017

O dia em que assassinaram o Planeta Terra
 
Paul Craig Roberts, tradução de btpsilveira

“A mudança na qual você pode acreditar” desapareceu nos primeiros dias do regime Obama assim que foram preenchidos os quadros governamentais em Washington. David Brooks(1) cantou louvores àqueles que tornaram impossível a mudança: “o melhor dos infiltrados em Washington, Tron(s) conquistadores(2) que conseguiram duplo 800 nos seus SATs”(3)

segunda-feira, 27 de março de 2017

Estado Islâmico (Daech): cria do Ocidente 


24/3/2017,
Pepe EscobarSputnikNews, tradução do Coletivo VILA VUDU

James Shea, Vice-secretário Assistente da OTAN para Ameaças Emergentes – mas... que título adorável! – fez recentemente uma palestra num clube privado em Londres sobre o Estado Islâmico (Daech). Shea, como muitos recordarão, fez fama como porta-voz da OTAN durante da guerra da OTAN contra a Iugoslávia em 1999.


Depois da palestra, Shea meteu-se numa discussão com fonte que prezo muitíssimo. E a fonte, adiante, bateu cá para mim a verdade nua e crua.
Segundo a inteligência saudita, o Daech foi inventado pelo governo dos EUA – em Camp Bucca, perto da fronteira com o Kuwait – como muitos recordarão –, essencialmente para pôr fim ao governo de maioria xiita de Nouri al-Maliki em Bagdá.

domingo, 26 de março de 2017

Israel e a falência moral das Nações Unidas

Enquanto as Nações Unidas hesitam, covardemente submissas a Estados Unidos e Israel, o Estado judeu continua com a prática de atividades criminosas contra a Palestina.

por Lawrence Davidson, tradução de btpsilveira

24 de março de 2017 - "Information Clearing House" Em 15 de março de 2017 a Comissão Econômica e Social para a Ásia ocidental (ESCWA na sigla em inglês – NT) das Nações Unidas, publicou um relatório  sobre o comportamento e as políticas de Israel relacionadas à Palestina. Usando como parâmetro Lei Internacional o relatório chega à “conclusão definitiva de que o Estado de Israel é culpado de praticar o Apartheid.”O termo “apartheid” usado no relatório não tem um sentido meramente “pejorativo”. Foi usado para descrever a realidade de um comportamento, escorado em fatos e evidências que fazem aceitável o significado legal do termo.

sábado, 25 de março de 2017

Coreia do Norte:*

As opções realmente sérias sobre a mesa 

24/3/2017, Pepe Escobar, Asia TimesTrad: COLETIVO VILA VUDU

Dos "Comentários" em Moon of Alabama

[de  karlof1 | Mar 23, 2017 5:01:57 PM | 16]

"O que está acontecendo na margem oriental da Eurásia e potenciais desenvolvimentos estão resenhados nesse artigo de Pepe Escobar, 24/3, para Asia Times. Alguns outros artigos do mesmo analista unem-se todos numa análise mais ampla: 

A) Pepe Escobar, 9/3/2017, "Oh, que WikiTrump mais traiçoeiro!", 
Asia Times [PORT.].
B) Pepe Escobar: 16/3/2017, "Grande Muralha de Ferro contra Nova Rota da Seda?",
 Asia Times [PORT.]; 
C) Pepe Escobar, 17/3/2017, "Dores do parto de um novo Oriente Médio", SputnikNews [PORT.]; 
_______________________________________________

O Congresso Nacional do Povo em Pequim deixou claro que a China no século 21 dirigida por Xi Jinping repousa, como estado, sobre os "quatro [conceitos considerados amplamente, nesse sentido] núcleos compreensivos do líder", na expressão da lei.

sexta-feira, 24 de março de 2017

A Russofobia é um sintoma da implosão dos Estados Unidos

Finian Cunningham, tradução de btpsilveira

Houve um tempo em que a Russofobia era uma maneira eficiente de controlar a população – usada particularmente pela classe dominante para levar a população dos Estados Unidos a um estado de lealdade patriótica. Não é mais. Agora, a Russofobia é um sinal de fraqueza, de uma implosão desesperada entre a classe dominante dos Estados Unidos, a partir de sua decaída podridão interna.
Hassan Nasrallah: Israel em pânico, enquanto o Eixo de Resistência triunfa

Discurso do Secretário Geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, em 18 de março de 2017, por ocasião do dia da mulher, aniversário do nascimento de Fatima al-Zahra (a.s.)

Excerto da seção política do discurso – transcrição para o inglês feita por Sayed Hasan ( http://sayed7hasan.blogspot.fr ) – tradução para o português por btpsilveira
               



Hoje, ou melhor dizendo, estes dias, são na realidade uma oportunidade (especial), principalmente quando os eventos na Síria e a guerra lançada contra o país entram no sétimo ano. Seis anos se passaram, com todo o seu conteúdo em termos de sofrimento, guerras, conspirações, confrontos e sacrifícios de vidas humanas. Com o final do sexto ano e o início do sétimo, faremos uma breve pausa nesta ocasião, pois estes fatos estão na origem de nossas preocupações.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Grande Muralha de Ferro contra Nova Rota da Seda? 

16/3/2017, Pepe Escobar, Asia Times, tradução do Coletivo da VILA VUDU


Quando o zum-zum em torno do 
encontro Trump-Xi converter-se numa Mar-a-Lago em campo mês que vem, os dois presidentes terão de concordar integralmente em pelo menos uma questão: "o terror islâmico radical" – na terminologia trumpeana.
Resultado de imagem para new middle eastDores do parto de um novo Oriente Médio 

19/3/2017,
Pepe Escobar, SputnikNews Tradução do Coletivo da VILA VUDU

Vocês todos lembram bem do que a ex-secretária de Estado dos EUA Condi Rice previu em 2006 em matéria de "dores do parto de um novo Oriente Médio". Fiel ao regime de George "Dábliu" Bush/Cheney, Condi errou tudo, fragorosa e espetacularmente, não só sobre o Líbano e Israel, mas também sobre Iraque, Síria e a Casa de Saud.

domingo, 19 de março de 2017

Papéis de EUA, Rússia, Turquia, Irã e Israel na Síria:

Rumo ao fim da guerra
 
14/3/2017, Elijah ManierBlog, tradução: Coletivo da VILA VUDU

EUA e Rússia têm acordo para pôr fim ao "Estado Islâmico" (ISIS/Daech), como prioridade na Síria, unificando o objetivo sem necessariamente concordar com unir esforços e coordenar o ataque por terra. Ainda assim, esse começo levará ao fim da guerra na Síria e pavimentará o caminho para remover obstáculos essenciais (quer dizer: todos os jihadistas) na estrada do processo de paz.
Ninguém precisa de mais uma Guerra da Coreia


por Eric Margolis, tradução de btpsilveira
19 de março de 2017 "Information Clearing House" – Na incrivelmente tensa zona desmilitarizada (também conhecida como DMZ), o “vilarejo da paz”, Panmunjon é um dos lugares mais esquisitos do mundo que jamais visitei. Soldados duros da Coreia do Norte espreitam o tempo todo, vigiados por sua vez por duros soldados da Coreia do Sul, todos com óculos escuros, jogando um agressivo judô virtual entre “guerreiros”.

sábado, 18 de março de 2017

A Dança da Morte, por Chris Hedges


12.03.2017, Chris Hedges* - Truthdig - traduzido por E. Silva

As elites corporativas no comando já não buscam construir. Elas buscam destruir. Elas são agentes da Morte. Elas anseiam pelo poder irrestrito para canibalizar o país, poluir e degradar o ecossistema, para alimentar o desejo sem freios de riqueza, poder e hedonismo. Guerras e “virtudes” militares são celebradas. Inteligência, Empatia, Bem Comum são banidos. A Cultura é degradada em cafonice patriótica. A educação é destinada apenas à proficiência técnica para servir à venenosa máquina do capitalismo corporativo. A amnésia Histórica nos fecha o acesso ao passado, ao presente e ao futuro. Esses valores, rotulados como improdutivos ou redundantes, são descartados, esvaziados ou confinados ao esquecimento. A repressão estatal é indiscriminada e brutal! E na regência desse escandaloso e macabro espetáculo há um diretor insano tuitando absurdos desde a Casa Branca.
A verdade morreu
Da irritação à ameaça: o custo elevado da verdade.

por Paul Craig Roberts, tradução de btpsilveira

É preciso saber que o esforço de quem oferece seu tempo escasso e a energia de uma vida para um público grande e desconhecido é suficientemente apreciado para que se sinta compensado pelo gasto de tempo e energia. Isso é ainda mais verdade quando o compromisso vem associado a grandes despesas.
A resposta dos leitores ao pedido trimestral de doações mostrou que valho o suficiente para vocês e justifica a continuação de meus esforços.
Estou convencido de que os Estados Unidos e provavelmente todo o mundo ocidental, quer dizer, o Império (norte)Americano, entrou em uma era na qual não existe mais o respeito pela verdade, nas instituições privadas quanto públicas. Nós estamos vendo isso acontecer já há algum tempo. Volte no tempo até 03 de agosto de 2002, por exemplo, uma data recente nos termos desse problema, mas fora da consciência política de quem tem menos de 33 anos de idade. No verão de 2002, o mundo estava sendo preparado pela propaganda enganosa para uma invasão do Iraque pelos EUA. Em 03 de agosto desse ano, a prestigiosa publicação inglesa The Economist resumiu o consenso que estava sendo fabricado em apenas duas sentenças: “as escolhas honestas atualmente são desistir e ceder, ou remover Hussein antes que ele consiga sua bomba (nuclear). Mesmo sendo doloroso, nosso voto é pela guerra”.
A perigosa realidade de uma guerra no Irã 


15/3/2017, Sharmine Narwani , The American Conservative, tradução do Coletivo VILA VUDU


BEIRUTE — Depois de semanas de agitar sabres e promover a ideia de que o Irã seria "estado terrorista número 1" no mundo, o governo Trump parece ter discretamente baixado o tom da retórica.

sexta-feira, 17 de março de 2017

A chantagem de Erdogan pode derrubar a Europa de uma vez por todas


Ruslan Ostashko, LiveJournal
Tradução russo/inglês: J. Arnoldski – Tradução inglês/português: btpsilveira


Provavelmente, você já ouviu falar do escândalo diplomático entre Ancara e Amsterdã. O conflito tomou grades proporções depois que as autoridades holandesas impediram ministros turcos de fazer campanha a favor de Erdogan entre a diáspora turca local e já transbordou as fronteiras holandesas. Pode acabar tendo consequências sérias para toda a União Europeia.
Mais uma história (real) de pirataria em estado privatizado:

Depois da privatização, a piratização 

9/3/2017, John HelmerDance with Bears Tradução do Coletivo de Tradutores da VILA VUDU

Entreouvido na Vila Vudu:
Essa matéria não interessa pelo que informa sobre a Rússia-2017. Mas interessa muito pelo que diz sobre TODAS as chamadas 'privatizações' de grandes empresas públicas, no mundo do capital

O que é entregar a presidência da Petrobrás a um ou outro tucano corrupto e pervertido, um desses Pedros Parentes sempre a postos? É SEMPRE entregar uma empresa estatal a um sociopata (quase sempre sociopata & corrupto) comprometido com $$ privado, para que ele/ela detone uma empresa pública, não a favor de algum 'mercado' que tudo 'corrige(ria)', mas a favor de um determinado grupo econômico que àquela altura do processo  já plantou as próprias patas dentro do governo suposto democrático, e lá está para DESTROÇAR patrimônio público a favor de alguns poucos.

Diferente do que se lê abaixo, o 'processo' russo NADA TEM A VER com "sovietização de empresas, só que com menos controle" – 'comentário' que se repete como espécie de tique-tique-nervoso do 'jornalismo' 'ocidental' [e haja aspas de ironia!].

O processo é EXATAMENTE o mesmo também no assalto que o governo Temer está praticando contra o Brasil, aqui, do outro lado do mundo. Ninguém cogitaria de apresentar TemerPadilhaAluysioAngorá &  Serras como 'agentes de sovietização' do mundo.

Mas seja na Rússia seja no Brasil, o processo é idêntico.

E nos dois casos não passa de "assalto ao patrimônio público por golpes de privatagem CAPITALISTA". 


Para ser bem-sucedida, além de um bom senso de oportunidade – indispensável a qualquer batedor de carteira –, a privatagem CAPITALISTA só precisa do aval 'legalizante' de 'judiciários', eles (e elas!) também dedicados a assaltar patrimônio público para dele extrair vantagem privada.

Assim, lá estão hoje o STF-BR e demais 'instâncias' do Judiciário-BR, todas igualmente já 'privatizadas' e pirateadas e postas no poder para legalizar outras supostas 'privatizações', que NUNCA PASSAM de vergonhosas variações da piratização de patrimônio dos muitos, em benefícios de uns poucos. É ISSO.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Sayed Hassan Nasrallah: 

"Fim da ilusão 'Dois Estados' anuncia a libertação da Palestina" 

6/2/2017, Discurso do Secretário Geral do Hezbollah

Na homenagem anual aos dirigentes mártires. Vídeo, versão original em árabe, legendada em francês, texto transcrito e traduzido ao francês, por Sayed Hassan. Aqui traduzido ao português (2ª.parte) è tradução do Coletivo de tradutores da VILA VUDU


[...] Bem... e o segundo ponto é a questão israelense, do ponto de vista palestino.

O que se passa atualmente? Israel prossegue no processo de judeização em velocidade máxima. A judeização de Al-Quds (Jerusalém), a expulsão dos habitantes, a construção de mais e mais colônias, para modificar a identidade da cidade e separá-la da Cisjordânia, até a proibição da chamada para as orações, projeto do governo de Netanyahu adotado pelo Parlamento [Knesset], até a lei que legaliza o roubo de terras palestinas na Cisjordânia, com o prosseguimento da construção de milhares de casas na Cisjordânia, o prosseguimento quotidiano de assassinatos, prisões e demolição de casas, destruição de plantações e, agora, com Trump, a transferência da embaixada dos EUA, de Telavive para Jerusalém. A intenção aí é confirmar que Jerusalém seria capital eterna daquela entidade usurpadora.

terça-feira, 14 de março de 2017

Israel tenta cobrar uma libra de carne humana (mas ouve ‘nyet’, de resposta) 


12/3/2017, MK Bhadrakumar, 
Indian Punchline, tradução do Coletivo da Vila Vudu

A 'visita de trabalho' do primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu a Moscou, semana passada, tinha um objetivo chave relacionado ao conflito na Síria – uma conversa da mais alta importância com o presidente Vladimir Putin sobre a presença do Irã, na Síria. Antes de embarcar para Moscou, Netanyahu disse ao seu gabinete, em declarações públicas, que